Dicas de Como Seguir na Carreira de Arquiteto

Em agosto deste ano, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) divulgou o número de 106.038 mil arquitetos em atividade no Brasil, atualizado em 2020. O profissional é responsável por desenvolver projetos e acompanhar a construção e organização de ambientes, levando em consideração aspectos como funcionalidade, conforto e estética.

De acordo com o Conselho, a área apresenta um ritmo de retomada de crescimento com a realização de 5,4% a mais de atividades em 2018 e 8,2% a mais em 2019. Se a tendência de crescimento permanecer, a demanda pelo profissional de Arquitetura também aumentará. Abaixo, é possível encontrar algumas dicas para quem se interessa pela área e sobre como seguir na carreira de arquiteto (a).

Confira dicas importantes para ingressar na área de Arquitetura

1. Confira dicas importantes para ingressar na área de Arquitetura. Fonte: Freepik

Invista em uma boa formação

Para atuar como arquiteto é necessário ter um registro ativo no Conselho de Arquitetura e Urbanismo, órgão responsável por regulamentar a profissão no país. Uma das exigências para efetuar o registro é ter formação completa no curso superior de Arquitetura e Urbanismo. Portanto, a formação é indispensável para quem deseja se tornar arquiteto (a).

Nesse contexto, a escolha por instituições que ofereçam uma boa estrutura, com corpo docente qualificado, matriz curricular atualizada de acordo com as demandas do mercado e materiais de apoio para os alunos pode fazer total diferença. É possível encontrá-las em rankings de universidades e até mesmo no site do E-MEC, a partir das notas obtidas em avaliações conduzidas pelo órgão. 

As empresas não escolhem os profissionais a partir da universidade de formação, o fato é que uma instituição com boa qualidade disponibilizará melhores recursos para que o universitário se desenvolva em sua área de atuação.

Instituições bem avaliadas podem fazer a diferença durante a disputa por uma oportunidade profissional

2. Instituições bem avaliadas podem fazer a diferença durante a disputa por uma oportunidade profissional. Fonte: Freepik

Busque experiências

A experiência é um elemento de peso no momento de contratação. Desse modo, o quanto antes o estudante puder colocar em prática os conteúdos aprendidos em sala de aula, melhor. Isso pode ser feito tanto por meio de estágios, quanto dentro da própria instituição de ensino, por meio da participação de mentorias, pesquisas científicas, projetos, congressos e oficinas ofertadas pela universidade. 

O envolvimento em atividades extracurriculares demonstra engajamento e proatividade por parte do estudante, o que pode, inclusive, aumentar as chances de conseguir um estágio ou um trabalho integral após a formação.

Participar de projetos acadêmicos também conta como experiência

3. Participar de projetos acadêmicos também conta como experiência. Fonte: Freepik

Tenha um portfólio em mãos

Os aspectos estéticos são muito explorados pela Arquitetura e, por esse motivo, o visual é a porta de entrada para mostrar, na prática, as competências e habilidades na área. Os portfólios físico e digital podem ser um grande aliado, com destaque para projetos desenvolvidos ao longo da formação e/ou experiências profissionais mais recentes.

No caso dos formados, ele também pode ser utilizado como forma de atrair clientes, para que eles possam conhecer o trabalho desenvolvido pelo arquiteto (a). Porém, é preciso mantê-lo sempre atualizado, com informações de contato e deixar o link com fácil acesso.

Em profissões voltadas para aspectos estéticos, portfólio é tão importante quanto o currículo profissional

4. Em profissões voltadas para aspectos estéticos, portfólio é tão importante quanto o currículo profissional. Fonte: Freepik

Mantenha-se atualizado

Com o surgimento de novas tecnologias como softwares, também aparecem novas formas de estudar ambientes e desenvolver as funções atribuídas ao arquiteto. Sendo assim, manter-se atualizado sobre as mudanças no mercado de Arquitetura pode manter o profissional ativo e em destaque na profissão.

A área de Arquitetura exige constante atualização

5. A área de Arquitetura exige constante atualização. Fonte: Freepik

Também é fundamental estar atento à tendências de materiais e organização de espaços e às necessidades regionais da população, para pensar em formas de atendê-las. A sustentabilidade é outra questão cada vez mais discutida nos meios de comunicação e, portanto, encontrar alternativas de inseri-la no ramo de Arquitetura pode ser um diferencial.

Qual Curso Devo Escolher; Design de Interiores ou Arquitetura e Urbanismo ?

Para quem se interessa por desenho e tem aptidão por arte, a área de projeção de espaços úteis para outras pessoas pode ser uma boa. Você vai conseguir colocar em prática sua vocação e seu futuro, além de poder atuar em um campo com amplos benefícios mercadológicos. 

Existem duas opções que o aluno que quer ingressar nessas áreas pode seguir: Arquitetura e Urbanismo ou Design de Interiores. Ambos podem trabalhar na ambientação de espaços. Mas qual é a melhor opção para escolher? Pensando em ajudá-lo a sanar essa dúvida, viemos trazer, nesse texto, as principais diferenças entre ambos os cursos para que o jovem possa escolhê-lo.

Arquitetura e Urbanismo ou Design de Interiores, qual curso escolher

 

1. Arquitetura e Urbanismo ou Design de Interiores, qual curso escolher. Fonte: Pexels

Como funciona o curso de Arquitetura e Urbanismo?

Em Arquitetura e Urbanismo, o aluno pode se formar tanto arquiteto quanto urbanista. O arquiteto vai aprender a planejar diversos tipos de ambientes (sejam internos ou externos), além de projetar edificações. Os critérios levados em consideração para isso são conforto, estética, funcionalidade e objetivo de como aquele ambiente pode melhorar a qualidade de vida das pessoas.

O profissional, formado, será responsável por determinar quais materiais, técnicas e metodologias serão utilizadas na obra. É essencial que ele leve em conta critérios como melhor iluminação possível, criação de ambientes mais ventilados e como a disposição dos objetos impactam naquele espaço. 

Por outro lado, o urbanista atua no planejamento, organização e revitalização de espaços públicos, como cidades e bairros. As atuações podem acontecer tanto no setor público, quanto no privado, seja atuando por uma empresa ou sendo autônomo.

O curso é de bacharelado e tem duração média de cinco anos, estando dentro do escopo de Artes e Design. Dentro das aulas oferecidas, o estudante vai encontrar matérias de:

  • Matemática;
  • História de Arquitetura;
  • Antropologia;
  • Desenho Arquitetônico.

É necessário também lidar com softwares sobre criação de ambientes 3D.

O Arquiteto é responsável por determinar quais materiais, técnicas e metodologias serão utilizadas na obra

 

2. O Arquiteto é responsável por determinar quais materiais, técnicas e metodologias serão utilizadas na obra. Fonte: Pexels

Como está o mercado para Arquitetura e Urbanismo?

Em 2020, por conta da pandemia, vimos alguma desaceleração no mercado de trabalho. Segundo levantamento do Quero Bolsa, com base no Cadastro Geral de Empregados e desempregados, tivemos:

  • Arquiteto Urbanista, com salário de R$ 5.900,35, 271 contratações e saldo de 5;
  • Arquiteto Paisagista, com R$ 3.861,77 de salário, 54 contratações e saldo de -1;
  • Arquiteto de Edificações, com R$ 6.084,75 de salário, 763 contratações e saldo de -257.

Como funciona o curso de Design de Interiores?

O curso de Design de Interiores forma profissionais que podem atuar no projeto e otimização de ambientes residenciais, comerciais e corporativos. Assim como o arquiteto, o designer também considera padrões de estética e funcionalidade, projetando ambientes de trabalho, instalações e desenvolvendo projetos de sustentabilidade.

O curso Design de Interiores é oferecido nos níveis bacharelado e tecnológico. O bacharelado, que possui duração média de quatro anos e apresenta conteúdo de:

  • Técnicas de instalação e iluminação;
  • Materiais e revestimentos;
  • Desenho de móveis;
  • Utilização de ferramentas digitais. 

Já o nível tecnológico, com duração de dois anos, é voltado para decoração, paisagismo ou design de móveis e ambientes. O aluno aprende sobre estudo de cores, estudo de ferramentas digitais e representação gráfica com ênfase em espaços residenciais e comerciais.

Assim como o arquiteto, o designer também considera padrões de estética e funcionalidade

 

3. Assim como o arquiteto, o designer também considera padrões de estética e funcionalidade. Fonte: Pexels

Como está o mercado para Design de Interiores? 

O profissional de Design de Interiores tem duas opções no Caged: Arquiteto de Interiores e Decorador de Interiores. O primeiro teve um salário de R$ 5.321,80, 155 contratações e saldo de -11. Já a segunda, teve uma remuneração média de R$ 3.690,49, 113 contratados, com saldo de -17. 

Qual devo escolher?

Tudo depende do objetivo do aluno. Se ele quer entrar rapidamente no mercado de trabalho, Design de Interiores seja talvez a opção. Por ser um curso de “tiro mais curto”, ele já entra de vez para o trabalho. Entretanto, o leque de opções e mercado de Arquitetura e Urbanismo é maior, ou seja, se quiser ampliar as opções, pode ser a coisa certa a se fazer.

Para que serve a soleira?

A soleira de porta é uma peça que marca a transição entre ambientes e é instalada geralmente no batente de portas. Ela pode ser feita de diversos materiais e traz acabamento para o piso.

Trata-se de um detalhe que faz toda a diferença na estética do projeto. Não existe regras em relação a cor da soleira ou o tipo do material, a escolha vai depender da proposta da decoração.

Mas é claro que sempre surgem algumas dúvidas na hora de fazer a melhor escolha, não é mesmo? Se esse é o seu caso, não se preocupe! No post de hoje, vamos explicar quais são os materiais usados em soleira e dar dicas para acertar na decoração. Boa leitura!

Para que serve a soleira?

Soleira é uma peça, feita geralmente de mármore ou granito, colocada no piso das portas. Ela tem o formato de uma faixa e a largura tende a ser a mesma do batente.

A soleira de porta tem como objetivo destacar a divisão entre os cômodos.

Outra função da soleira é marcar os desníveis entre os ambientes, fazendo um acabamento bonito e facilitando a limpeza e locomoção dos moradores.

Essa peça também é usada na porta de entrada das casas como forma de valorizar o espaço.

A soleira deve sempre estar alinhada ao piso de nível mais alto e ter o acabamento polido voltado para o ambiente com o piso de nível mais baixo.

Exemplo de soleira de mármore

Exemplo de soleira de mármore

Algumas pessoas confundem peitoril com soleira. Mas o primeiro é um apoio instalado em janelas com o objetivo de proteger paredes e muros da umidade.

Já a soleira tem uma função estética e é incluída apenas no piso.

Peitoril de mármore na parte externa da janela

Peitoril de mármore na parte externa da janela

Veja também: Como fazer instalação elétrica? Confira o passo a passo completo!

Sou obrigado(a) a incluir soleira de porta no piso?

Uma dúvida comum é se existe a obrigatoriedade de incluir soleira de porta no piso.

Alguns clientes preferem um piso único em mais de um ambiente, o que na teoria dispensa o uso da soleira, já que ela serve para separar ambientes com revestimentos diferentes.

Mas deixar a soleira de lado em um projeto não é uma decisão tão simples quanto parece, já que ela influencia diretamente na paginação do piso.

Imagine a seguinte situação: o revestimento escolhido para o piso foi o porcelanato e a paginação é alinhada.

Se você escolher a sala para o começo da paginação, por exemplo, o desenho vai começar aí e partir para o restante dos ambientes, certo?

Dependendo de onde começam os outros ambientes, essa paginação pode ser cortada de um jeito que prejudica a estética do piso.

Por isso, o uso da soleira é recomendado sempre que houver a mudança de ambiente. Dessa forma, uma nova paginação começa sem o risco de deixar cortes feios.

Uma solução para manter a uniformidade do piso é utilizar o mesmo material do revestimento na soleira.

No exemplo abaixo, a soleira de porcelanato combina com o restante do piso. Essa estratégia traz uma sensação de plenitude para o espaço.

Soleira com o mesmo material dá sensação de amplitude para o piso

Soleira com o mesmo material dá sensação de amplitude para o piso

Veja também: Como utilizar cerâmica para transformar ambientes? Descubra já!

A cor da soleira precisa combinar com a cor do piso?

Conforme explicamos no começo do texto, não existe regras em relação a cor da soleira. Tudo depende dos gostos do cliente e das cores dos materiais disponíveis.

Se a proposta do piso é dar a sensação de amplitude para o espaço, o indicado é usar a soleira de porta com um tom próximo do revestimento do piso.

Soleira branca tem tonalidade parecida com o piso

Soleira branca tem tonalidade parecida com o piso

Mas também é possível setorizar os ambientes usando uma soleira de porta com cor diferente do piso. Um exemplo clássico é o piso branco com a soleira de granito preto.

Soleira preta de granito em piso branco setoriza os ambientes

Soleira preta de granito em piso branco setoriza os ambientes

Vale lembrar que também não existe uma regra que obrigue que a soleira combine com as bancadas do banheiro, da cozinha ou com o peitoril. Mais uma vez, tudo depende do contexto e da proposta da decoração.

Veja também: Como escolher porcelanato para cozinha? Veja o passo a passo completo!

Quais são os materiais usados para criar soleira de porta?

Soleira de Granito

A soleira de granito é uma das mais utilizadas do mercado. Sua principal vantagem é o preço – é muito fácil encontrar esse material em grandes lojas de construção.

Além disso, a soleira de granito tem uma vasta gama de cores, o que traz facilidade na hora de fazer combinações com o piso.

A soleira de granito também é bastante resistente, já que o material absorve pouca água e é difícil de manchar.

Essas características fazem com que a soleira de granito seja bastante indicada para ambientes externos.

Soleira de granito com tom semelhante ao piso

Soleira de granito com tom semelhante ao piso

Soleira de Mármore

A ideia é trazer mais sofisticação para o piso? Então, a soleira de mármore é a mais indicada para o projeto.

Ela costuma ser um pouco mais cara do que a soleira de granito. O mármore branco, por ser um tom neutro, é o mais utilizado em soleira de porta.

A desvantagem da soleira de mármore é que ela não é indicada para áreas externas ou com muita umidade, como banheiro e cozinha.

Devido a sua alta porosidade, ela mancha com facilidade, além de ser mais escorregadia.

Soleira de mármore em desnível

Soleira de mármore em desnível

Soleira de mármore Bege Bahia (fonte: @dreamhome402)

Soleira de mármore Bege Bahia (fonte: @dreamhome402)

Soleira de Porcelanato 

A soleira de porcelanato é uma opção prática que traz beleza para o piso e tem sido muito pedida pelos clientes.

A escolha do porcelanato vai depender do tamanho da peça, afinal ela tem que ter a largura do batente da porta.

Ela pode ser feita com a sobra do material usado para revestir as paredes ambiente, por exemplo.

Soleira de porcelanato

Soleira de porcelanato

Soleira de Pastilha

A soleira de pastilha tem o visual marcante, por isso é recomendada para projetos que buscam dar atenção ao piso.

Caso a soleira de pastilha seja usada em um ambiente que já tem pastilha nos revestimentos, a dica é que as cores sejam próximas para manter a harmonia do espaço.

Soleira de pastilhas em tons neutros

Soleira de pastilhas em tons neutros

>> O post Soleira: Aprenda a Escolher a Cor Ideal e Crie um Piso Sem Erros apareceu primeiro em Viva Decora Pro.